Agrociência Agropecuária

O papel da produção animal para a mitigação das alterações climáticas: a abordagem da Terraprima

A produção animal, nomeadamente de ruminantes, possui uma importante contribuição para a emissão de gases com efeito de estufa, sendo de salientar o papel do metano e do óxido nitroso.

Autoria: Tatiana Valada e Tiago Domingos Terraprima

*Escrito ao abrigo do Anterior AO

〈 24/02/2021 〉

O metano, produzido principalmente por fermentação entérica e armazenamento de estrume, tem um efeito sobre o aquecimento global 28 vezes superior ao do dióxido de carbono. O óxido nitroso, resultante do armazenamento de estrume e da utilização de fertilizantes, tem um efeito 265 vezes superior ao do dióxido de carbono. Num contexto nacional com um auto-aprovisionamento que varia entre 50% para a carne de bovino e 80% para a de ovino e caprino e importação significativa de países nos quais são comuns processos de desflorestação, uma simples redução da produção nacional não se apresenta como solução. É assim necessária uma optimização do processo de produção nacional, onde o extensivo poderá assumir um papel de destaque. O aumento das áreas activamente pastoreadas permite a recuperação de pastagens degradadas e a redução de áreas de matos, diminuindo assim a carga combustível que alimenta os incêndios. Adicionalmente, uma gestão adequada do sistema solo-pastagem-animal potencia o sequestro de carbono pelo solo e evita emissões de gases com efeito de estufa pela redução da necessidade de alimento concentrado.

Para este fim, a Terraprima, spin-off do Instituto Superior Técnico, tem vindo a trabalhar com o sistema de pastagens semeadas biodiversas. Estas pastagens, originalmente desenvolvidas pelo Eng. David Crespo, são compostas por até 20 espécies ou variedades de legumes e gramíneas cuja escolha reflecte as características locais, nomeadamente no que respeita ao solo e clima. Estas pastagens permitem uma optimização da produção de biomassa, quer aérea, quer radicular. O aumento da biomassa aérea permite um aumento do encabeçamento (…).

Leia o artigo completo na edição de fevereiro 2021.