Leguminosas

Consociação de milho e feijão-frade como uma técnica sustentável para adaptar a produção às alterações climáticas em Portugal

As alterações climáticas são uma das maiores ameaças ambientais, sociais e económicas que o planeta e a humanidade enfrentam. As projeções científicas apontam para que a região mediterrânica seja severamente afetada, prevendo-se efeitos nefastos para a agricultura portuguesa.

O milho é a cultura arvense com maior expressão em Portugal e pode ser encontrada de Norte a Sul do país, o que significa que soluções ambientalmente responsáveis devem ser adotadas para minimizar os impactos negativos que se avizinham. O feijão-frade é uma leguminosa cultivada mundialmente devido à sua adaptação à seca, capacidade de fixar azoto e elevado valor nutricional. Com as alterações climáticas, as temperaturas médias estão a aumentar, a disponibilidade de água para rega é cada vez menor e é necessário pensar em culturas menos exigentes ao nível do solo.

A conjugação destes e de doutros fatores ameaça a produtividade das culturas, exige investimentos em irrigação e alterações no processo produtivo, colocando em risco os volumes de produção e o rendimento dos agricultores. A produção em consociação é uma estratégia que permite aos agricultores obter diferentes outputs na mesma exploração, enquanto adotam práticas agrícolas ambientalmente sustentáveis.

As consociações com leguminosas-grão representam ainda uma estratégia de redução de inputs e mitigação de emissões de gases de efeito de estufa (GEE), uma vez que a utilização de leguminosas fixadoras de azoto diminui a necessidade de fertilizantes azotados, normalmente produzidos através de processos com alto consumo de energia proveniente de combustíveis fósseis. Existem várias populações locais de feijão-frade (Vigna unguiculata (L.) Walp.) em Portugal que podem ser consociadas com a cultura do milho com vários efeitos benéficos potenciais, contudo, existe muito pouca informação sobre esta consociação em Portugal ou em contextos similares (clima mediterrânico). Paralelamente, esta metodologia, será apenas aplicada ao milho consociado com o feijão-frade, o que significa que numa fase posterior, poderá ser testada com outras espécies tradicionais, por forma a conseguir aumentar o leque de culturas tradicionais adaptadas às alterações climáticas e às novas exigências e objetivos da agricultura moderna e sustentável (i.e. maior produtividade, maior eficiência na utilização de nutrientes, maior tolerância à seca, robustez, resiliência, maior tolerância a pragas e doenças).

O objetivo do corrente estudo é avaliar populações portuguesas de feijão-frade consociadas com milho para consumo humano, cultivadas em modo de produção biológico sob diferentes condições de produção. Os ensaios foram conduzidos de forma a identificar as melhores combinações de genótipos de feijão-frade e milho, para otimizar a densidade de sementeira e o número de regas durante o ciclo cultural (…).

Agradecimentos: Esta pesquisa foi apoiada pelo projeto ConVIGNA (PDR2020-101-031658)

Autoria: Paulo PEREIRA1 , Ana Maria BARATA2 , Graça PEREIRA3 , Carlos GASPAR2 , Paulo MARTINHO1 , Micha GROENEWEGEN1 , José COSTA1 , Madalena VAZ2 , João MEXE3 , Manuela MENESES3

  • 1 Living Seeds Sementes Vivas S.A, Idanha-a-Nova, 2 INIAV, Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV), Braga, 3 INIAV- Elvas, Elvas

Leia o artigo completo, publicado na Revista Voz do Campo – Edição de março de 2021.

↓ Adquira aqui a Revista e consulte este e outros artigos mensalmente: