Floresta

Europa reconhece contributo das florestas

A nova Estratégia Europeia releva a importância das florestas de produção na bioeconomia e como meio de financiamento para a conservação.

〈 28/04/21 〉

As florestas são vitais para o planeta e para a vida das pessoas. Além de ajudarem a responder às alterações climáticas através do sequestro de carbono, e de protegerem os solos e a água, as florestas produzem oxigénio, abrigam mais de três quartos da biodiversidade terrestre do mundo e fornecem muitos produtos e serviços que contribuem para o desenvolvimento socioeconómico.

É, por isso, unanimemente reconhecido, o contributo da floresta para a implementação de novos modelos de desenvolvimento sustentável, o que motivou a Comissão Europeia (CE) a preparar uma nova Estratégia para as Florestas, cuja consulta pública decorreu até 19 de abril.

Os objetivos da CE passam por promover os muitos serviços prestados por estes ecossistemas, reconhecendo a importância das florestas de produção para apoiar a bioeconomia circular e garantir a disponibilidade de financiamento para a manutenção de espaços de conservação. Mas também assegurar a saúde e a resiliência das florestas para que estas contribuam para as metas em matéria de proteção de espécies e clima, reduzindo e controlando as catástrofes naturais.

Uma das medidas a promover será o combate à tendência de desflorestação a nível global, através do incentivo à plantação de árvores e à sua gestão certificada, para aumentar a área arborizada mundial e para retirar das florestas naturais a pressão de responder às crescentes necessidades mundiais de matéria-prima lenhosa (como madeira, fibra, carvão, energia, biomassa) e não lenhosa (por exemplo, cortiça, mel, óleos essenciais, caça e cogumelos).

Ambiente e economia de mãos dadas

Apesar de contabilizarem apenas 7% da área mundial de floresta, as plantações florestais satisfazem pelo menos um terço das necessidades de madeira utilizada na indústria global. E através de boas práticas silvícolas, garantem a origem sustentável dos produtos derivados da celulose que, sendo naturais, renováveis, recicláveis e biodegradáveis, são cada vez mais uma fonte de energia renovável e uma alternativa verde aos materiais de origem petrolífera, graças ao investimento em investigação realizado pela indústria de base florestal.

Este setor económico contribui para a descarbonização da economia, a defesa da biodiversidade, a coesão e resiliência dos territórios, a qualificação das pessoas e o desenvolvimento rural, ao mesmo tempo que permite incorporar valor a partir de matérias-primas produzidas localmente e, assim, apoiar economicamente as comunidades mais desfavorecidas e reduzir as importações de fora do espaço europeu com a consequente redução da pegada ecológica dos produtos.

Setor representa 1% do PIB da União Europeia

O setor florestal (silvicultura e indústrias da madeira e do papel) representa cerca de 1% do PIB da União Europeia, valor que chega a atingir os 5% na Finlândia, e emprega cerca de 3,5 milhões e pessoas, segundo os últimos dados divulgados pelo Eurostat.

Em 2018, as indústrias de base florestal na UE-27 contavam 397 mil empresas ativas, que geraram 138,6 mil milhões de euros de Valor Acrescentado Bruto (retirados os custos de bens e serviços), com destaque para o subsetor da pasta e do papel, responsável por mais de um terço desse valor (48,1 mil milhões de euros). Quanto ao emprego, os números do Eurostat reportam a 2018 e estimam 511 mil pessoas a trabalhar na silvicultura e exploração florestal e mais de três milhões na indústria de base florestal.

A Comissão Europeia quer incentivar a plantação de árvores e a sua gestão certificada, para retirar das florestas naturais a pressão de responder às crescentes necessidades mundiais de matéria-prima lenhosa.

Em Portugal, o volume de negócios das indústrias da fileira florestal (pinheiro, eucalipto e sobreiro) representa quase 5% do PIB (10 mil milhões de euros) e cerca de 2% da população ativa (75 mil empregos diretos). Num país onde, de acordo com o ICNF, apenas 3% da floresta é detida por entidades públicas, é sobre os proprietários privados (particulares e empresas) que recai a responsabilidade pela gestão de milhares de hectares de áreas de interesse para a conservação.

Segundo o relatório de 2020 do State of Europe Forests, 21,8% da floresta portuguesa são áreas protegidas cujo principal objetivo é a conservação da biodiversidade e proteção das paisagens e elementos naturais específicos.

〈 Informação disponibilizada por: Produtores Florestais