Na primeira pessoa

❝ Não há vacina contra as alterações climáticas ❞

João Pedro Matos Fernandes, Ministro do Ambiente e da Ação Climática

〈 16/06/21 〉

“Não podemos continuar a achar que os objetivos podem ser atingidos sem qualquer esforço do setor privado, do setor público, dos municípios ou dos cidadãos.

É preciso reconhecer que a mitigação e a adaptação às alterações climáticas são condição necessária, porém não suficiente, para atender aos desafios que hoje enfrentamos: nos resíduos, na produção e consumo sustentável, na escassez de recursos, na cidadania responsável.

É necessário perceber que foram décadas a conceber uma estrutura económica, social, legal, assente num determinado lugar do ambiente. Hoje, sabemos que o gráfico da oferta e da procura não flutua no infinito, o círculo do sistema natural limita-o.

Ser Ministro da Ação Climática significa ter a responsabilidade última sobre a mitigação, a adaptação e o sequestro de carbono. A tarefa é pesada, pois reduzir em 85% as emissões até 2050 altera profundamente o nosso modo de vida. Assegurar apenas com métodos de engenharia natural a qualidade das nossas massas de água e o combate ao avanço do mar é uma tarefa ciclópica e sem fim. Transformar a nossa paisagem, combatendo as monoculturas agrícolas ou florestais, vai demorar uma década”.


Excerto de uma comunicação durante o debate sobre política setorial na Assembleia da República, Lisboa, 16 junho 2021.