Formação Reportagem

Agricultura e Restauração definem a identidade da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento de Cister em Alcobaça

A Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Cister (EPADRC) forma técnicos de nível IV há 31 anos. A agricultura está no seu ADN mas devido a vários fatores a escola foi diversificando a sua oferta formativa, e hoje são as áreas da Agricultura e Restauração que lhe definem a identidade. Em entrevista, a direção da EPADRC mostra-nos com mais detalhe o extenso trabalho que desenvolve com os seus alunos e a forma como os prepara para o mercado de trabalho.

Como se caracteriza a Escola?

A Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Cister, Alcobaça (EPADRC) é uma escola pública que ministra os Cursos de Educação e Formação de equivalência ao 9º ano: Empregado/a de Restaurante/ Bar e Operador/a de Eletrónica e Computadores e Cursos Profissionais de equivalência ao 12º ano: Técnico/ a de Produção Agropecuária, Técnico/a de Recursos Florestais e Ambientais, Técnico/a de Cozinha/Pastelaria, Técnico/a de Restaurante/Bar e Técnico/a de Comunicação e Serviço Digital. A escola tem, este ano letivo, 158 alunos.

Quais as principais valências ao dispor dos alunos?

As nossas áreas de formação vão desde a Produção Agrícola e Animal, Silvicultura e Caça, Hotelaria e Restauração, Eletrónica e Automação ao Comércio. A escola tem uma forte ligação ao mundo empresarial, sendo a oferta formativa definida em função das necessidades que os nossos stakeholders externos identificam como prioritárias.

Como é que a Escola e a própria oferta formativa tem evoluído nos últimos anos, sabendo-se por exemplo que há menos jovens e nem sempre a área agrícola tem sido a mais acarinhada?

A EPADRC nasceu escola agrícola e forma técnicos agrícolas de nível IV há já 31 anos. Com o decréscimo de alunos, que se tem verificado ao longo dos anos, e porque o setor agrícola tem passado por fases de menor atratividade, a escola foi diversificando a sua oferta formativa, tendo feito, há 12 anos, uma forte aposta na área da Hotelaria e Restauração. Estas áreas, Agricultura e Restauração, definem a identidade da escola, e ainda que a escola continue a oferecer outras áreas de formação no sentido de captar as camadas jovens, o setor Agroalimentar, no qual estas 2 áreas são indissociáveis, é aquele que consolida o trabalho desenvolvido pela escola, a sua relação com a comunidade regional e os projetos desenvolvidos na área agrícola e alimentar.

Qual o peso das formações ligadas à agricultura e ao mundo rural?

Estando a agricultura no seu ADN, a escola tem tido uma importância vital no desenvolvimento do setor agrícola da região. A taxa de empregabilidade do curso é elevada, não havendo empresa agrícola, na região, que não tenha nos seus quadros, técnicos formados na EPADRC. Hoje em dia, jovens que passaram pela escola são empresários agrícolas de sucesso, dirigentes associativos, formadores na escola, responsáveis de explorações agrícolas… A agricultura na região do Oeste não seria a mesma sem o contributo desta escola.

Estando a Escola inserida numa região tradicionalmente frutícola, qual a relação e /ou papel da Escola e dos seus alunos no desenvolvimento desta atividade?

A escola tem sede numa exploração agrícola e porque o setor frutícola na região é, de facto, marcado pelas culturas da maçã e pera rocha, a escola tem pomares de maçã e pera (entre outros espaços de culturas) que são verdadeiros campos de experimentação e formação para os futuros técnicos. Aqui experimentam-se inovadoras técnicas de cultivo de diferentes tipos de maçã: Royal Gala, Fuji, Casa Nova, Red Delicious…, de Pera Rocha, estando também a decorrer experiências com Ginja e Pêssego de Alcobaça.

Testemunhos:

Francisco Venâncio, 1ºB TPA.

“O que me levou a optar pela EPADRC foi o gosto pela Agropecuária. É uma escola que nos proporciona, tanto formação académica, como profissional. Ao contrário de outras escolas secundárias, esta proporciona-nos uma aprendizagem ao ar livre. Em pleno contacto com a natureza desenvolvem-se as diversas áreas em estudo. Apesar da EPADRC estar distante da minha casa, quando cheguei, deparei-me com uma escola, onde todos se conhecem e rapidamente estabelecem laços de amizade. Os alunos são dotados de diversas capacidades, prevalecendo o interesse pelas atividades práticas. Os professores fornecem-nos todo o apoio necessário ao sucesso, estando sempre dispostos a proporcionar-nos as melhores condições de evolução no domínio académico e prático.”

  • Francisco Venâncio, 1ºB TPA

 

Anita Gonçalo, 3º T TPA

“Desde o primeiro dia de aulas, sempre senti que esta entidade tem como objetivos formar os melhores profissionais. Através de atividades práticas, máquinas agrícolas recentes e excelentes professores, as matérias tornam-se mais cativantes.

Há companheirismo, união, compaixão e respeito, valores fundamentais para uma boa relação entre colegas, funcionários e professores.

A EPADRC é um bom sítio para aprender, crescer como pessoa e sair um profissional de excelência. O ambiente é excelente. Os professores encontram-se sempre dispostos a esclarecer qualquer dúvida. Os auxiliares são pessoas extremamente carinhosas e que estão lá para ajudar. Os colegas são excecionais e, alguns deles, tornam-se amigos para a vida. O ensino é de excelência, os alunos que querem prosseguir estudos recebem todo o apoio e ajuda para tal, aqueles que querem ingressar no mercado de trabalho recebem conhecimentos para tal. Em ambas as vertentes, com certeza serão pessoas bem formadas e com capacidade para se tornarem profissionais reconhecidos na área agrícola.”

  • Anita Gonçalo, 3º T TPA

Qual tem sido o curso com maior procura?

O curso com maior procura continua a ser o curso profissional de Técnico/a de Produção de Agropecuária. A experiência da escola nesta área, a sua aposta numa formação de excelência e a vantagem da dupla certificação são mais valias únicas.

Quais os principais projetos em que a Escola está inserida?

Para complementar e enriquecer a formação dos alunos, a escola abraça diversos projetos. Na área agrícola desenvolvemos, por exemplo, o projeto RobôAgro EPADRC – projeto inovador que combina robótica e agricultura e já recebeu um prémio da Fundação Ilídio Pinho; um projeto na área da agricultura biológica e outro na área da Apicultura. Na área da Restauração, a escola desenvolve o projeto de um restaurante pedagógico “Sabores EPADRC” aberto à comunidade. Na área da estratégia de Educação para a Cidadania, a escola integra o Programa Escola Embaixadora do Parlamento Europeu, desenvolve os Projetos EPADRC Voluntária e EPADRC+ Sustentável, e, com o objetivo de motivar os alunos temos o projeto Pessoas Inspiradoras, convidando profissionais de sucesso, de diferentes áreas, a partilharem a sua experiência com os mais jovens.

Qual pode ser considerada a diferença entre esta e outras escolas profissionais de desenvolvimento rural?

As escolas profissionais agrícolas públicas são 14. Tendo em conta as especificidades regionais, também ao nível agrícola, estas escolas não concorrem entre si. Elas adaptam os planos de estudos do curso à realidade do setor agrícola regional. Assim, o que nos diferencia é a aposta, na produção vegetal, no setor frutícola, na vinha, nas hortícolas e nas culturas arvenses; na produção animal, a aposta é nos suínos (contribuíndo para a preservação da raça autóctone Malhado de Alcobaça), ovinos, caprinos e bovinos. Complementarmente, procuramos uma formação de excelência, investindo em equipamentos agrícolas modernos, inovadores (ao nível das tecnologias aplicadas ao setor agrícola) e permitindo aos nossos alunos ter acesso a todas as certificações atualmente exigidas aos técnicos do setor, através de um protocolo com a Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo: licença de condução de tratores agrícolas, certificação para Conduzir e Operar o Trator em Segurança e Certificação de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos, entre outras.

Que mensagem gostaria de deixar aos alunos que estão agora a decidir a área de formação?

A excelente formação dada pela escola, validada pelos parceiros que recebem os nossos alunos em Formação em Contexto de Trabalho; a garantia da qualidade da formação da escola, devidamente certificada pelo Selo de Conformidade EQAVET (sistema de garantia de qualidade de referência europeu); a aposta da escola numa formação abrangente e inovadora, ao encontro da agricultura para o século XXI, associando as novas tecnologias aos equipamentos agrícolas e de restauração; a elevada taxa de empregabilidade dos cursos são indicadores de que a opção pelos nossos cursos é a aposta certa e de sucesso para o futuro dos jovens que nos procuram.

Excelência, inovação e experiência estão na base do trabalho desenvolvido na construção do percurso escolar de cada formando.


Sabores EPADRC

Restaurante pedagógico aberto à comunidade

Sabores EPADRC é um restaurante pedagógico aberto à comunidade mediante reserva, um dia por semana.

Este projeto nasceu com o objetivo de criar, em contexto de formação, uma situação real da atividade profissional para os alunos treinarem competências. Abrir a escola à comunidade, foi um sucesso, uma vez que a sala está sempre esgotada. A ementa e confeção dos pratos está a cargo dos alunos do curso profissional de Técnico de Cozinha Pastelaria e o serviço de sala é executado pelos alunos do curso de Técnico de Restaurante Bar.

Prémios doçaria conventual

A inovação e a excelência são princípios orientadores da formação EPADRC. Assim, abraça com empenho desafios vários e os concursos gastronómicos, no âmbito da doçaria conventual, são uma oportunidade para os alunos do curso de Técnico de Cozinha Pastelaria aprimorarem as suas competências. São já vários os doces premiados, testemunho da dedicação e trabalho desenvolvido: Pudim de Maçã de Alcobaça; Cornucópia de Maçã de Alcobaça; Pudim de Ginja de Alcobaça MSR David Pinto; Bolo de S. Bernardo; Coroa D. Pedro de Pera Rocha do Oeste.