Bio EMPRESAS & PRODUTOS Vinha & Vinho

Urtiqas | A solução natural para o controlo dos ácaros na vinha

Os ácaros são aracnídeos que, no estado adulto, possuem quatro pares de patas, não possuindo asas nem antenas. Situam-se preferencialmente na página inferior das folhas, onde, muitas vezes formam teias. Os ácaros fitófagos possuem uma armadura bucal formada por quelíceras modificadas em formato de estilete e utilizam este aparelho para perfurar as plantas.

Desta forma, a sua alimentação origina descolorações pontilhadas resultantes das picadas e como consequência, a zona atacada reduz a sua eficiência fotossintética e a transpiração da planta provocando o amarelecimento e a consequente seca das folhas, refletindo-se no vigor da vinha e posteriormente na qualidade da sua produção.

Na cultura da vinha existem alguns ácaros fitófagos que podem ser problemáticos. Entre os mais importantes, com base nos estragos causados, encontram-se o aranhiço amarelo e o aranhiço vermelho.

Tetranychus urticae Koch – aranhiço amarelo1

Esta espécie de ácaro é cosmopolita e extremamente polífaga, e afeta praticamente todas as culturas protegidas, de ar livre, ornamentais, plantas espontâneas, herbáceas e lenhosas. É um ácaro da família Tetranychidae que se encontra amplamente distribuído, especialmente em zonas quentes de clima suave, com verão seco, ganhando o estatuto de praga na cultura da vinha, principalmente no centro e sul de Portugal continental, podendo constituir um grave problema.

A particularidade de tecer teias na face inferior das folhas, protegendo a colónia das condições adversas (ventos fortes, potenciais predadores, chuvas e das caldas acaricidas) e permitindo a retenção de humidade, torna o seu controlo mais difícil.

O ciclo de vida destes compreende cinco estados de desenvolvimento: ovo, larva, protoninfa, deutoninfa e adulto.

Os adultos têm um tamanho de 0,5-0,6 mm de comprimento, e possuem uma coloração que varia em função da planta de que se alimentam, clima e idade, podendo adotar colorações verdes, amarelas ou vermelhas.

O aranhiço amarelo hiberna essencialmente na vegetação espontânea, na forma de fêmea adulta, onde deposita os ovos, no início da Primavera. Caso exista alguma destruição ou rareio da flora espontânea pode ocorrer uma migração em massa das larvas para a vinha. No caso de um ataque atroz a videira sofre um acentuado decréscimo da atividade fotossintética e um aumento da transpiração, pelo que existe uma debilidade generalizada. O aranhiço amarelo pode atacar tanto folhas, como pâmpanos, gavinhas e cachos.

No início da infestação os sintomas mais comuns são o aparecimento de ponteados decolorados e manchas amarelas nas folhas que posteriormente ficam esbranquiçadas, secam e caem. Aparecem folhas com cloroses e pontos amarelados ou castanhos. As folhas afetadas têm uma área amarelada na página superior que corresponde à existência de colónias na página inferior.

Os estragos podem ser importantes, principalmente com tempo seco e quente, quando as gerações de aranhiço se sucedem com rapidez. Debilitam as plantas ao danificar as folhas e se o ataque for forte e prolongado pode provocar a queda das mesmas (desfoliação).

Panonychus ulmi Koch – aranhiço vermelho2

O aranhiço vermelho também pertence à família Tetranychidae, e é originário da Europa, e frequente em Portugal. É também um ácaro polífago, mas tem preferência por pomóideas, prunóideas e vinha.

Na existência de um equilíbrio biológico, o aranhiço vermelho é controlado naturalmente pela fauna auxiliar e não constitui perigo para as culturas. No entanto, quando o equilíbrio é danificado, pela aplicação de certos inseticidas e/ou fungicidas nocivos para estes organismos, as populações do aranhiço podem crescer desmesuradamente e tornarem-se uma praga. Desta forma, o aranhiço vermelho pode desenvolver ataques graves nas vinhas onde se verifiquem desequilíbrios biológicos, embora seja considerada uma praga secundária ou ocasional (…).

Leia o artigo em completo na → edição de maio 2021.

Fontes: 1. https://www.drapalg.min-agricultura.pt 2. http://www.drapn.min-agricultura.pt/drapn/ 3. https://www.arvensis.com

Autoria:

  • Rita Ganso
  • Distribuído em Portugal por Fitolivos


Clique aqui ↓ subscreva a nossa revista mensal e adquira este e outros artigos exclusivos: