Hortofruticultura Sanidade vegetal

O gorgulho da bananeira: Cosmopolites sordidus

Cosmopolites sordidus é um inseto com impactos económicos referenciados em todo mundo, por causar elevados prejuízos que limitam o desenvolvimento vegetativo da bananeira.

〈 10/06/21 〉

Como este inseto tem atividade noturna e movimenta-se no interior das plantas, torna-se difícil observar a sua presença, podendo passar despercebido pelos produtores e assim atingir elevados níveis de infestação.

Galerias no rizoma da bananeira.

Os adultos não provocam estragos na planta, sendo as larvas as responsáveis pelos prejuízos, uma vez que, quando se alimentam, abrem com a armadura bocal galerias no rizoma e na parte inferior do pseudocaule da planta.

As galerias dificultam os movimentos de água e dos nutrientes, o que leva a um fraco desenvolvimento vegetativo da bananeira.

A planta, mais frágil, tem dificuldade em emitir o cacho, que fica mal formado e pequeno. O sistema radicular também fica pouco desenvolvido, o que facilita a queda da planta pela ação do vento.

A temperatura, a humidade relativa, a cultivar, a idade da planta e a densidade de plantação são fatores determinantes para o desenvolvimento deste inseto e podem influenciar diretamente a duração das fases do seu ciclo de vida.

Ciclo de vida do Cosmopolites sordidus .

Nas novas plantações, especialmente com plantas de cultura in vitro, as bananeiras são muito suscetíveis à presença desta praga.

Para minimizar o uso de meios químicos, as boas práticas culturais na exploração são essenciais para o controlo de Cosmopolites sordidus. É importante realizar fertilizações equilibradas com níveis de azoto controlados para que as plantas mostrem maior resistência a problemas fitossanitários. Os restos da cultura devem ser picados, para acelerar a sua decomposição e evitar a existência de abrigos para a praga.

Nos solos mal drenados e de baixa fertilidade, com plantas com fraco desenvolvimento vegetativo a população aumenta significativamente.

A monitorização da população com armadilhas é indispensável para o controle deste inseto.

A movimentação dos insetos é condicionada pela Sordidina, uma feromona de agregação, que é emitida pelos machos para atrair insetos de ambos os sexos para uma fonte de alimento.

Esta feromona pode ser colocada em armadilhas comerciais ou artesanais produzidas pelo agricultor.

As armadilhas devem ser monitorizadas semanalmente e a feromona substituída de acordo com as indicações do fornecedor.

Para a monitorização da praga também podem ser utilizadas armadilhas feitas com material vegetal, pseudotroncos ou rizomas.

Armadilha comercial.

A utilização destas armadilhas baseia-se na atração exercida pelas substâncias voláteis presentes no pseudocaule e no rizoma da bananeira sobre os adultos de Cosmopolites sordidus.

Estas armadilhas são colocadas próximo das plantas mães em zonas quentes, húmidas e sombrias e devem ser observadas semanalmente.

Quando a média do grau de ataque nas armadilhas monitorizadas for superior a 5 indivíduos/armadilha, pode ser implementado a captura massiva do Cosmopolites sordidus aumentando o número de armadilhas na parcela. Depois de avaliar a oportunidade de tratamento, também podem ser aplicados produtos fitofarmacêuticos homologados ou autorizados para a cultura, nas doses e/ou concentrações recomendadas, para evitar o aparecimento de populações resistentes.

Captura de gorgulhos .

O inseticida deve ser aplicado por pulverização localizada no interior da soca velha da bananeira, quando já não tem o cacho.

O produto deve permanecer no interior desta parte da planta, onde o inseto está refugiado. Uma alternativa para o controle do gorgulho pode passar pela contaminação do bananal com o fungo entomopatogénicos, Beauveria bassiana, que existe naturalmente nos solos e que tem sido largamente estudado.

O produto fitofarmacêutico Naturalis é um inseticida microbiológico com o fungo Beauveria bassiana autorizado em modo de produção biológico.

A DGAV, por solicitação da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DRA) e em colaboração com a empresa de produtos para a agricultura Solofertil, concedeu recentemente uma extensão de autorização de utilização em usos menores, para que o PF possa ser aplicado no controlo do gorgulho da bananeira (Cosmopolites sordidus).

O Naturalis não tem LMR (Limite máximo de resíduos) nem IS (Intervalo de segurança), reduzindo o impacto negativo na saúde humana e no ambiente. Não tem efeito sobre os auxiliares e pode ajudar a restabelecer o equilíbrio entre a praga a controlar e a população de auxiliares.

Com o objetivo de avaliar a eficácia do Naturalis no controlo da população deste inseto, nas nossas condições edafoclimáticas, a DRA implementou numa exploração agrícola da Região um ensaio. Este estudo está a ser realizado com a colaboração da Universidade da Madeira.

Alexandra Azevedo
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural


 

Clique aqui ↓ subscreva a nossa revista mensal e adquira outros artigos exclusivos: