Cereais Política Agrícola

Ministra da Agricultura anuncia Pagamentos ligados para os Cereais na 44ª AG do Clube Português dos Cereais de Qualidade

O evento teve lugar no dia 15/06/21 em Santa Eulália, Elvas, e foi organizado pela Cersul

O Clube Português dos Cereais de Qualidade reuniu a fileira dos cereais, na passada quarta-feira em Santa Eulália, para mais uma Assembleia Geral do Clube.

〈 18/06/21 〉 

Este Clube informal, a funcionar sob os auspícios da Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais (ANPOC) e presidido por Fernando Carpinteiro Albino, associa Organizações de Produtores (Cersul, Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches, Cooperativa Agrícola de Beringel, Globalqueva e Procereais), Organizações socioprofissionais do setor (ANPOC e ANPROMIS), Investigação (INIAV e IPBEJA), e os principais representantes da indústria de moagem e semolaria (Germen/Ceres, Cerealis, Fábricas Lusitana e Insular); e da indústria cervejeira (Sociedade Central de Cervejas e Maltibérica/Super Bock Group).

Com um importante papel agregador da fileira dos cereais, o Clube reúne duas vezes por ano: em maio/junho, coincidindo com o início das ceifas; e em outubro/novembro, coincidindo com o arranque da campanha de sementeira dos cereais praganosos. As reuniões servem assim para análise do ano cerealífero, no primeiro caso; e preparação e previsão da campanha seguinte, no segundo. A organização das Assembleias é rotativa, cabendo às Organizações de Produtores a preparação das assembleias de maio/junho; e à indústria a preparação das assembleias ocorridas no final do ano.

A organização desta 44ª Assembleia Geral esteve a cargo da Cersul que aproveitou a ocasião para lançar o seu projeto experimental na Herdade do Retiro e mostrar os equipamentos laboratoriais recém-adquiridos, que colocam esta organização de produtores na vanguarda da tecnologia analítica para controlo de qualidade dos cereais e monitorização das características físico-químicas das matérias-primas destinadas a uso industrial.

De acordo com Luís Bulhão Martins, Presidente da Cersul e membro da Direção da ANPROMIS, «o Clube tem procurado funcionar como um embrião de uma Organização Interprofissional dos cereais, trabalhando ao nível da avaliação das produções, da identificação das necessidades do setor, do fomento da inovação e da melhoria da articulação entre os agentes da fileira. E tudo isto em prol da promoção e valorização dos cereais, do aumento do rendimento dos produtores e, também, do rendimento e eficiência da cadeia como um todo.»

Luís Bulhão Martins refere ainda o contributo do Clube para, juntamente com a ANPOC e a ANPROMIS, colocar os cereais no centro da agenda política nacional: «o baixo grau de aprovisionamento de Portugal no que se refere a cereais começa finalmente a ser considerado um problema político nacional. Já temos a Estratégia Nacional para a Promoção da Produção dos Cereais (ENPPC), um documento extremamente estruturado que recebeu inputs de especialistas do setor, da investigação, da indústria e do Ministério da Agricultura e que resume um conjunto específico de medidas – umas de carácter infraestruturante, outras de apoio direto. É agora importante que este documento constitua um ponto de partida efetivo para a reforma da PAC, em preparação.»

E, com efeito, tudo indica que assim será. Em mensagem enviada ao Clube e agora disponível para o público em geral, a Senhora Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, confirmou a importância da dinâmica da fileira dos cereais, da prossecução das medidas definidas na ENPPC e do restabelecimento dos pagamentos diretos ao setor dos cereais para a autonomia estratégica do país.

«Para a ANPOC e para a ANPROMIS esta mensagem da Senhora Ministra é de extrema importância, pois é o corolário do enorme esforço que o setor dos cereais – praganosos, milho e arroz – tem feito para contrariar a dependência externa da nossa balança comercial, melhorar o rendimento dos agricultores e consolidar ao aumento das áreas de produção de cereal em Portugal. Regozijamo-nos com o anúncio dos pagamentos ligados e com a continuação da implementação das medidas definidas na ENPPC», conclui José Palha, Presidente da ANPOC.