Agropecuária Sanidade animal

Dia Mundial Contra a Raiva

O Dia Mundial Contra a Raiva (WRD) celebra-se a 28 de setembro.

〈 28/09/21 〉

Esta iniciativa, criada e coordenada pela Global Alliance for Rabies Control – GARC, em parceria com vários organismos públicos (OMS, OIE, FAO) e privados, bem como comunidades de voluntários em todo o Mundo, pretende alertar para o problema que a raiva representa, envolver todos e incentivar à participação ativa para eliminar esta doença, através de uma rede de atuação, divulgação e partilha das ações realizadas.

Para tal, são disponibilizados vários recursos de apoio à realização de ações educativas e de divulgação

[rabiesendshere no twiter /WRD na OMS / WRD no OIE / WRD nas redes sociais]

COM A VACINAÇÃO!

Esta iniciativa tem como objetivos:

  • Consciencializar para o grave impacto que a raiva representa na saúde pública e na saúde animal
  • Divulgar boas práticas para prevenir esta zoonose
  • Incentivar todos a colaborarem para erradicar esta doença no mundo

Em 2021, o tema escolhido para a Comemoração do Dia Mundial Contra a Raiva, pretende sensibilizar para a importância do conhecimento e divulgação dos factos promovendo o combate à desinformação.

Partilhe fotos da vacinação do seu cão nas redes sociais Facebook /Twitter GARC.

 

Conheça FACTOS SOBRE A RAIVA

  • A raiva é uma zoonose mortal.
  • Todos os anos morrem cerca de 59 000 pessoas devido à raiva, na maioria crianças que vivem em meios rurais.
  • A cada 9 minutos uma pessoa morre no mundo em consequência da raiva.
  • Mais de 95 % dos casos de raiva em humanos devem-se a mordeduras de cães infetados.
  • Praticamente 100 % dos casos de raiva em humanos podem ser evitados.
  • A solução é vacinar os cães: vacinando, pelo menos, 70% dos cães podemos eliminar quase todos os casos de raiva no homem.
  • Ao vacinar um cão estamos a contribuir para eliminar a raiva e tornamo-nos membros ativos para o objetivo comum de erradicação da raiva.

 

A raiva não respeita fronteiras, em especial nas populações de animais selvagens, por isso é importante os países colaborarem entre si para o controlo eficaz da raiva, o conceito “Animais + Humanos = Uma só Saúde”, uma estratégia mundial para promover a colaboração e a comunicação interdisciplinar em todas as vertentes dos cuidados de saúde humana e animal.

 

Portugal é um País indemne de Raiva desde 1961.

Atualmente, a vacinação para os animais e para as pessoas, constitui uma ferramenta importante para eliminar as mortes humanas causadas pela doença.

Todos podemos colaborar para a prevenção eficaz da raiva!

Siga as recomendações da Direção Geral de Alimentação e Veterinária :

  • Vacine os seus cães contra a raiva;
  • Nunca traga das suas viagens animais que não cumpram as normas sanitárias exigidas para a entrada a partir de outros países;
  • Não adquira animais sem garantir que provêm de criadores ou de operadores comerciais autorizados e, se provenientes de outros países, assegure-se que esses animais viajaram em cumprimento dos requisitos previstos na legislação aplicável. Não receba nem adquira animais sem a documentação de identificação e sanitária própria. Se tiver dúvidas, não arrisque!
  • Caso o animal apresente alteração de comportamento, ou mostre sinais de agressividade, dirija-se a um médico veterinário para avaliação clínica.
  • Se o seu animal tem origem noutro país com risco de raiva ou viajou  a partir de um país com risco de raiva, e vier a apresentar, num período de 6 meses, alterações de comportamento ou mostrar sinais de agressividade, ou se morrer subitamente, mesmo que não tenha apresentado quaisquer sinais de doença, participe a situação a um médico veterinário para que seja possível fazer o despiste de raiva.
  • Se viajar para países com risco de raiva não interaja com animais suscetíveis à raiva, quer animais domésticos, quer animais selvagens. Não alimente estes animais, não permita que os animais o/a mordam, arranhem ou lambam. Se tal acontecer, lave abundantemente a zona/ferida com água e sabão e recorra tão breve quanto possível a aconselhamento médico para despiste de raiva e eventual profilaxia pós exposição.

 

Todos os anos ocorrem casos de raiva em animais de companhia que entram ilegalmente na Europa, provenientes de países onde a raiva é endémica.

Estes casos são detetados por médicos veterinários em animais que manifestam sinais de doença, como alterações de comportamento, tais como agressividade, ou alterações neurológicas, que levam à suspeita e à recolha de material para diagnóstico laboratorial.

Por vezes, os animais, frequentemente muito jovens (de semanas ou meses), morrem subitamente, sem terem apresentado qualquer sinal indiciador de raiva.

Conheça alguns dos casos de raiva ocorridos na União Europeia, nos últimos anos:

2021, setembro – na Alemanha, cão de 8 semanas, importado ilegalmente da Turquia, via Bulgária, que morreu, subitamente, sem ter apresentado sinais de doença;

2020 janeiro – cão, sem sintomatologia raiva, entrou em coma e morreu de raiva em Mellila, Ceuta, Espanha

http://www.veterinaria-atual.pt/na-clinica/novo-caso-de-raiva-canina-em-espanha/

https://www.animalshealth.es/profesionales/javier-burillo-soy-veterinario-mas-casos-rabia-espana

2020 – cão que entrou ilegalmente em França; origem incerta, mas o diagnóstico revelou uma estirpe do norte de África, provavelmente Marrocos;

2015 maio – em França, um cão jovem importado ilegalmente da Hungria e que tinha tido origem na Argélia. Morreu numa clínica veterinária onde tinha sido apresentado com sinais de agressividade;

2013, junho – cão adulto em Toledo, Espanha, viajou sem vacinação antirrábica válida, e voltou de Marrocos. Apresentou sinais de agressividade e mordeu várias pessoas;

2013, outubro – em França, gato com 2 meses, foi recolhido na rua e trazido, em incumprimento, por pessoa que viajou para Marrocos;

2013 outubro – Nos Países Baixos, dois cães de 4 meses, da mesma ninhada, provenientes da Bulgária que entraram, em incumprimento, via Áustria

→ Saiba mais (página do Portal da DGAV sobre a doença raiva)