Grande Entrevista Hortofruticultura

❝ A fileira portuguesa da castanha faz-se das variedades tradicionais

A RefCast – Associação Portuguesa da Castanha – tem por objetivo dar um forte contributo para a organização da fileira da castanha. Em entrevista o seu presidente, José Gomes Laranjo, aprofunda alguns desses contributos e retrata o setor.

O que é hoje a RefCast – Associação Portuguesa da Castanha?

A RefCast representa a fileira do castanheiro e da castanha em toda a sua extensão, incluindo produtores em nome individual, associações e cooperativas, que abrangem os setores da produção, transformação e prestação de serviços, bem como municípios e entidades de I&D (Investigação e Desenvolvimento).

É nesta diversidade e nas sinergias que tal possibilita que está o segredo do sucesso da RefCast. Além do papel de representação é sobretudo a “janela” do castanheiro e da castanha para o exterior, não só em Portugal mas também a nível internacional, facilitando o contacto do exterior para o interior da fileira. Outra grande vantagem da RefCast é a possibilidade de preparar projetos comuns com dimensão nacional, como é o caso dos Grupos Operacionais.

Os primórdios da RefCast remontam a 2008, a partir de um grupo restrito (UTAD, Espaço Visual e Arbórea) com objetivo de efetuar uma candidatura de reforço do setor do castanheiro no âmbito dos projetos Proder. A ideia era preparar um projeto de média dimensão, mas o interesse foi tão grande que tendo começado em Vinhais, passou da Terra Fria para a Padrela, para os Soutos da Lapa e rapidamente chegou também a Marvão, criando na altura um consórcio que tinha 25 parceiros. Este consórcio, que entretanto foi ganhando corpo, foi a semente do que viria a ser a Rede Portuguesa da Castanha e posteriormente a Associação Portuguesa da Castanha, mas sempre com o mesmo nome.

Como é que o setor evoluiu desde essa altura?

Ao tornar-se a voz da castanha no país a RefCast levou a que se falasse muito mais de castanha, criando-se como que “uma moda” à volta desta fileira, o que também trouxe dinâmica, sem esquecer o valor da mesma. Nestes 10 anos, que correspondem mais ou menos à vida da RefCast, a fileira da castanha e do castanheiro cresceu 53% de acordo com o último recenseamento, tendo sido uma grande vantagem a introdução dos porta-enxertos híbridos.

Nos últimos 10 anos, que correspondem mais ou menos à vida da RefCast, a fileira da castanha e do castanheiro cresceu 53%

Que mais-valias trouxeram esses porta-enxertos híbridos?

Sendo resistentes à doença da tinta, vieram trazer um grau de proteção às novas plantações que as plantações convencionais que usavam porta-enxertos ditos “nacionais” não tinham (nem têm). Hoje os porta-enxertos híbridos não são novidade para ninguém.

Que outras vantagens visíveis para o setor trouxe a RefCast?

Pôs as pessoas a falarem umas com as outras e a desenvolverem negócios entre si, em função da sua complementaridade (…).

Adquira a entrevista completa na edição de dezembro 2021.

Desenvolvimento completo e outros artigos exclusivos
  • Na Revista Voz do Campo:

Edição de Dezembro ’21