Agrociência Investigação

Alho (Allium sativum L.): “Remédio Natural”

Figura 1. O Allium sativum L.

O alho (Allium sativum L.) é uma planta culturalmente apreciada, bem presente na gastronomia tradicional portuguesa como condimento e pela sua riqueza aromática. A par, é muito valorizada pela fitoterapia pelas suas diversas propriedades farmacológicas.

As variedades mais antigas estão datadas há mais de 5000 anos, em documentos de origem hindu, árabe e egípcia, espalhando-se por todo o mundo, principalmente na época dos descobrimentos, pela mão dos portugueses que as trouxeram da Ásia. Já aí, nas longas viagens pelo mar, perceberam algumas caraterísticas benéficas do alho, pela sua capacidade de conservação e, confecionado com outros alimentos, muitas vezes estragados, prevenia doenças. Atualmente, os países que detêm a maior produção de alho são a China e a Índia. Nos países lusófonos, o Brasil é o maior produtor e a nível da União Europeia destaca-se Espanha (FAO, 2018).

O estudo empírico e a utilização pela medicina popular têm motivado a estruturação de ensaios científicos, realizados em diversas Universidades, nomeadamente na de Hong Kong, na China (Food and Nutrition Research, 2017); Adelaide, na Austrália (Nutrition Reviews, 2013); entidades independentes, como a Cochrane (The Journal of Clinical Hypertension, 2015); entre outras.

Na nomenclatura científica esta variedade é conhecida por Allium sativum L. (figura 1) e popularmente pelo nome comum de alho. Da família botânica das Aliáceas (Liliáceas), é uma planta herbácea, bolbosa perene, pode chegar até aos 60 cm de altura (…).

Desenvolvimento completo na → edição de janeiro 2022 da Revista Voz do Campo.

Bibliografia

Balbach, A. & Boarim, D. As Hortaliças na Medicina, 2a Ed. Vida Plena, p. 69-75, 1992.
Ried, K. Garlic Lowers Blood Pressure in Hypertensive Individuals, Regulates Serum Cholesterol, and
Stimulates Immunity: An Updated Meta-analysis and Review. The Journal of Nutrition, v. 146, n. 2, p.
389S-396S, 2016.
Fao.org (FAOSTAT), Garlic Production, Crops/ World Regions/ Production Quantify, 2018.

Autoria: Ana Lorena 1 & Ana Isabel Cordeiro 2
1 Naturopata. Direção Clínica Espaço ANEROL.
2 Departamento de Ciências Agrárias e Veterinárias. Instituto Politécnico de Portalegre.

Artigo completo e outros artigos exclusivos
  • Na Revista Voz do Campo:
  • Reportagem especial sobre a Amêndoa

Edição de janeiro ‘2022