Hortofruticultura PAC Vinha & Vinho

Impacto da PAC no setor da vinha e da hortofruticultura em Portugal

〈 07 / 03 / 2022 〉

Os setores da hortofruticultura e da vinha em Portugal estão entre os que têm feito melhor uso do apoio da Política Agrícola Comum (PAC) para aumentar o valor e o mercado dos seus produtos.   

A vinha e, sobretudo a hortofruticultura têm estado entre os setores que melhor otimizaram a ajuda da Política Agrícola Comum (PAC) em Portugal para modernizar as suas estruturas de produção, gerar valor e aumentar os seus mercados. Analisamos a situação de cada um deles:

Utilização da PAC para criar valor no setor do vinho

Portugal é um caso único no mundo do vinho: segundo dados da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), é o país com o maior consumo per capita de vinho, com uma média de 51 litros por habitante por ano, o dobro dos espanhóis (25 litros em média).

A área ocupada por vinhas em Portugal é de cerca de 190.000 hectares, com uma produção média anual de 6,6 milhões de hectolitros, o que a coloca em nono lugar a nível internacional. O consumo interno, incluindo o dos cerca de 12 milhões de turistas que visitam o país anualmente, é de cerca de 4,5 milhões de hectolitros.

O impacto socioeconómico do setor vitivinícola em Portugal é muito significativo. De acordo com dados do Instituto da Vinha e do Vinho, tem um volume de negócios anual ligeiramente superior a 1,8 mil milhões de euros, dos quais cerca de mil milhões de euros correspondem a vendas no mercado interno.

Instituto da Vinha e do Vinho: www.ivv.gov.pt

As exportações portuguesas de vinho registaram uma evolução muito positiva nos últimos 20 anos, tanto em termos de valor como de volume. Assim, de acordo com dados oficiais, passaram de um total de 503 milhões de euros em 2001 para 846 milhões de euros em 2021, o que representa um crescimento de 57%. Tendo em conta que as importações de vinho em Portugal rondam os 160 milhões de euros por ano, o setor do vinho traz ao país uma balança comercial positiva de mais de 650 milhões de euros. O preço médio, de acordo com dados da Alfândega portuguesa, também evoluiu para cima de 2,13 euros por litro em 2011 para 2,71 euros no ano passado (o preço médio das exportações de vinho espanhol é de 1,40 euros por litro).

Impacto da PAC

Por detrás destes números positivos, existe uma estratégia bem sucedida de promoção conjunta no estrangeiro sob a marca ‘Wines of Portugal’ e a utilização da ajuda da PAC para otimizar a produção e concentrar-se em vinhos diferenciados.

Evolução da superfície vitícola en Portugal

La tendencia general en Portugal es una ligera disminución de la superficie de viñedo, pero con excepciones. Así la región de Alentejo incrementó su superficie de viña y la del Douro se mantiene estable. Esta última es la primera región vitícola de Portugal, con el 22% del área plantada, seguida de las regiones de Alentejo y Minho, con el 13% y el 12%, de la superficie vitícola de Portugal, respectivamente.

A tendência geral em Portugal é de uma ligeira diminuição da área de vinha, mas com exceções. Assim, a região do Alentejo aumentou a sua área de vinha e a região do Douro permanece estável. O Douro é a principal região vitivinícola em Portugal, com 22% da área plantada, seguido pelas regiões do Alentejo e Minho, com 13% e 12%, respetivamente.

Fonte: IVV

Em Portugal, a ajuda europeia ao setor vitivinícola é canalizada através do Programa Nacional de Apoio (PNA), com a duração de cinco anos.

O programa anterior, de 2014 a 2018, com uma dotação global de 326 milhões de euros, prosseguiu com a estratégia de valorização do setor, canalizando a ajuda (cerca de 65 milhões de euros por ano), em quatro medidas:

-Restruturação de vinhas.

-Promoção em países terceiros.

-Destilação de subprodutos.

-Contratação de seguros de colheita.

Com um envelope financeiro semelhante, o Programa Nacional de Apoio 2019-2023 assegura a continuidade destas medidas de apoio.

De particular relevância é o Regime de Apoio à Reestruturação e Reconversão da Vinha (VITIS), que desde 2001 permitiu atuar em mais de 80.000 hectares de vinha, o que corresponde a 40% da área vitícola portuguesa, com pagamentos de ajuda superior a 750 milhões de euros.

“A reestruturação e reconversão das vinhas, que inclui apoio à reconversão varietal – onde tem havido um claro enfoque nas castas autóctones portuguesas – a relocalização das vinhas para os locais mais adequados, e melhorias nas técnicas de gestão da vinha, têm sido essenciais para aumentar o número de vinhas em Portugal. Tem sido uma medida essencial para aumentar a competitividade do setor, tornando possível a modernização da vinha, aumentando o nível de mecanização, melhorando a gestão das vinhas e reduzindo os custos de produção”, conclui o Instituto da Vinha e do Vinho.

Portugal passou de uma agricultura medieval para uma agricultura moderna graças à PAC

O setor português das frutas e hortícolas tem sido um dos principais beneficiários da ajuda da PAC ao longo das últimas décadas. Como salienta o ex-ministro português da agricultura, Luís Capoulas Santos, “Portugal passou de uma agricultura medieval para um setor que compete com as superpotências agrícolas graças à Política Agrícola Comum”.

Uma figura que confirma esta evolução para uma agricultura moderna e orientada para a exportação é a balança comercial. Assim, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística, as exportações portuguesas de fruta, legumes e flores de corte cresceram 115% desde 2010, passando de 780 milhões de euros em valor para 1683 milhões de euros em 2020 (55% da produção nacional é exportada), com um volume de 1587 milhões de toneladas. Isto está a permitir reduzir o défice comercial neste setor: se em 2010 as exportações cobriam apenas 64,6% das importações, em 2020 a taxa de cobertura era de 94,7%.

Quanto aos subsetores mais dinâmicos da hortofruticultura portuguesa, destaca-se a fruta, que representa 47% das exportações, seguida dos preparados de fruta e legumes, que representam 28% das vendas no estrangeiro, enquanto que as plantas ornamentais e as flores representam 6%. Por produtos, Portugal destaca-se na produção e exportação de frutos vermelhos (247 milhões de euros em vendas no estrangeiro em 2020), seguido pelo tomate transformado (238 milhões) e citrinos (179 milhões de euros em exportações).

Para Rodrigo Vinagre, presidente do Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional (COTHN), o setor português das frutas e legumes conseguiu, graças à ajuda da PAC, “modernizar-se na última década tanto em termos de gestão e mecanização agrícola como na indústria agroalimentar, que se adaptou às mais recentes tecnologias de transformação e acondicionamento de matérias-primas”.

“Além disso, conseguimos abrir muitos mercados tanto para os nossos produtos tradicionais (pera, maçã, concentrado de tomate, batata e pimenta) como também para novos produtos (frutos vermelhos, kiwi, etc.). Em suma, atingimos um setor com um elevado grau de profissionalismo que está preparado para os desafios e as constantes mudanças no mercado”, sublinha.

Consulte o artigo relacionado em: https://vozdocampo.pt/2020/08/14/a-fileira-tem-dado-provas-de-um-alto-profissionalismo

Previsões de apoio da PAC para o setor da vinha e hortofrutícola a partir de 2023 

Ministério da Agricultura está satisfeito com o resultado das negociações para o novo período da PAC.

“Em resultado desta negociação, Portugal não só conseguiu alcançar, como também ultrapassar o seu objetivo negocial de garantir o orçamento para o período atual, alcançando para 2021-2027 um total de 446 milhões de euros a mais em comparação com o período de 2014-2020. Assim, a partir de 2021, estão disponíveis 9.782 milhões de euros de fundos comunitários, distribuídos entre o primeiro pilar da PAC (Pagamentos diretos e Medidas de Mercado), com 5.509 milhões de euros, e o segundo pilar da PAC (Desenvolvimento Rural), com 4.274 milhões de euros. Este montante global da PAC representa um aumento de 5%, a preços correntes, entre períodos de programação”, sublinha o Ministério da Agricultura.

Relativamente aos objetivos do Plano Estratégico da PAC (PEPAC) https://www.gpp.pt/index.php/pepac/pepac-plano-estrategico-da-pac-2023-2027, que será implementado em Portugal no período 2023-27, os principais desafios são garantir o abastecimento alimentar, manter os objetivos ambientais, modernizar o setor agrícola e desenvolver as zonas rurais.

“O PEPAC persegue três objetivos gerais principais: garantir o abastecimento alimentar, contribuir para a prossecução de objetivos ambientais e climáticos e promover o desenvolvimento sócio-económico das zonas rurais. É dentro desta perspetiva de sustentabilidade ambiental, económica, social e territorial que serão definidas intervenções para satisfazer as necessidades identificadas”, explica a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

A estratégia do sector das frutas e legumes para os próximos anos

No caso específico do setor hortícola, os objetivos definidos pelos próprios produtores através da Estratégia Nacional para a Fileira Hortofrutícola https://drive.google.com/open?id=1ut1TFg_g-KJM1Ct0zqZYvezsFfOEdis4, passam por alcançar um melhor equilíbrio na balança comercial, criar mais valor acrescentado ao longo da cadeia e aumentar a sustentabilidade da produção, enfrentando os desafios colocados pelas alterações climáticas.

Para o efeito, o setor estabeleceu os seguintes objetivos específicos, entre outros:

– Promover as organizações de produtores, acelerar os processos de reconhecimento, aumentar o teto de investimento e manter uma discriminação positiva nos projetos de investimento, para além de promover um quadro fiscal mais favorável;

– Apoiar a criação de estruturas de 2º nível orientadas para o marketing;

– Estabelecer uma estratégia concertada entre o órgão supervisor e a produção para a abertura dos mercados e estabelecer um plano de promoção para estes novos mercados.

– Focar na promoção da Marca Portugal no estrangeiro e promover campanhas promocionais no mercado interno, bem como campanhas de informação esclarecedoras junto do consumidor;

– Investir na rede ferroviária, marítima e especialmente terrestre de comunicações, devido aos custos associados à localização geográfica periférica de Portugal;

– Promover a investigação, envolvendo a produção de frutas e legumes ao nível dos processos de produção e do valor intrínseco das frutas e legumes nacionais;

– Apoiar a adoção de novas tecnologias e o respetivo apoio técnico no seio das organizações e associações de produtores;

– Manter a ajuda direta a produtos estratégicos tendo em conta a sua importância económica para o país;

– Redução da tarifa de energia, negociação conjunta, manutenção e atualização da rede elétrica nacional, bem como a criação de um plano estratégico mais equilibrado entre a disponibilidade de vendas à rede pública e as necessidades requeridas pelos produtores;

– Foco no regadio público e privado e continuidade das medidas de eficiência hídrica;

– Reforçar os meios de proteção contra agentes bióticos, apoiando expressamente a adoção de meios alternativos de controlo, a utilização da biotecnologia, e a implementação e financiamento de planos nacionais de controlo de pragas, fazendo uso preferencial de meios de controlo biológicos e biotecnológicos;

– Quantificar e compensar os serviços públicos criados pela atividade agrícola nas zonas rurais e desenvolver indicadores de eco-regimes em colaboração com a produção;

– Atracão de mão de obra através de formação especializada e formas criativas de remuneração (seguro de saúde, etc.);

– Promover a incorporação da inovação nos sistemas de produção, reforçando os meios disponíveis para a experimentação, implementando uma agenda de inovação para a fileira, discriminação positiva dos projetos apresentados pelo centro de qualificação da fileira, aprovação de projetos com base no impacto económico da inovação e, finalmente, acelerar o apoio ao investimento dos PP nos instrumentos de prestação de serviços no domínio da agricultura de precisão;

– Identificar medidas relevantes para o setor em termos de perturbações climáticas e adaptar e desenvolver novos mecanismos de gestão de risco.

Com esta estratégia, o setor espera alcançar os seguintes objetivos dentro de 10 anos:

– Atingir a média europeia de produção organizada em 2030;

– Aumentar as exportações para 2,5 mil milhões de euros até 2030;

– Manter a tendência de aumento do consumo de frutas e legumes nacionais;

– Balancear a balança comercial de frutas e legumes até 2030.

 

Saiba mais e mantenha-se atualizado: