Agricultura Inovação Tecnologia

Agricultura de Futuro: o mundo de amanhã

O futuro pode parecer algo muito distante, no entanto, podemos dizer que está tão próximo quanto o amanhã.

〈  06 / 05 / 2022  〉

A agricultura está presente em todas as culturas e está bem estabelecido que tem um enorme impacto económico na sociedade. As práticas agrícolas dos dias de hoje estão a sofrer mudanças a cada dia que se passa. O que era considerado uma certeza ontem, hoje já é uma dúvida. Falo, por exemplo, dos pesticidas, cujo uso permanece uma prática comum no dia-a-dia do agricultor, contudo, hoje em dia a noção de pesticida está muitas vezes ligada a substâncias tóxicas que podem ter efeitos negativos no que plantamos e porventura, no que comemos. Este é apenas um exemplo entre muitos, e, presentemente, a quantidade de ameaças que o meio agrícola enfrenta é bastante elevado. Destacam-se as alterações climáticas, a escassez de água, o uso de pesticidas com efeitos tóxicos, a micróbios que destroem plantações, até ao abandono económico que o agricultor tem sentido nos últimos anos. Consequentemente, a necessidade de novas metodologias e tecnologias para combater estes obstáculos, nunca foi tão necessária.

Surgiu então o conceito de agricultura de futuro, de forma a promover novos métodos e ideias para que o futuro agrícola seja uma realidade alcançável e mais sustentável. Embora os contratempos sejam muitos, se há algo que o ser humano sabe fazer, é inovar, e é com esse objetivo em mente que surgem novas formas ou produtos com o potencial de melhorar e até resolver os problemas do que atualmente surge. A agricultura do futuro assenta nesta ideia, uma permanente inovação e a partir da mesma, encontrar soluções para os problemas agrícolas atuais.

Mas qual será a realidade deste amanhã? A nova realidade agrícola irá assentar em diferentes tecnologias e novos conhecimentos, como, por exemplo o uso de máquinas automáticas que reduzem a necessidade de mão de obra humana, o uso de drones, muitas vezes em conjunto com a agricultura de precisão (AP), e o uso de biocidas para pragas e doenças, entre outras.

O uso combinado de drones com a AP permite ao agricultor monitorizar o crescimento de culturas, sem que este necessite de se deslocar ao local, trazendo também a possibilidade de analisar as plantações e, quiçá, detetar pragas e doenças. Atualmente, um dos métodos que mais emprega o uso de drones é a pulverização, permitindo mapear e topografar o solo através de um sistema de laser e ultrassom.

O uso de satélites é também um tópico cada vez mais relevante no mundo da AP, dada possibilidade de recolher informações diferentes sobre o terreno, como cursos de água e reconhecimento de tipos de terreno, o que a longo prazo permitirá ao agricultor aumentar a taxa de produção, usando menos recursos, o que são, afinal, dois dos objetivos mais importantes da AP.

Embora existam diversas possibilidades para tornar a prática agrícola mais sustentável e simultaneamente aumentar a produção, é ainda necessário existir um investimento significativo para que estas tecnologias se tornem uma realidade em todo o país. É assente que, e ainda mais evidente depois da pandemia, que os jovens procuram o interior do país com o objetivo de

desenvolverem planos na área da agricultura e para tal existem programas, como o Jovem Agricultor, que promove está prática. A longo prazo, este género de apoios poderá incentivar ainda mais a prática agrícola em locais que, até então, eram considerados abandonados.

A partir desta nova realidade, estamos não só a combater o aquecimento global, escassez de água e pragas através do uso de tecnologias, como também a evitar desperdícios, o que irá promover, a longo prazo, uma produção mais amiga do ambiente e em quantidades mais elevada! O que nos espera no “amanhã” da agricultura é deveras inovador e empolgante, representando assim uma esperança para o sector agrícola que sente cada vez mais dificuldades.

Autoria do artigo →

Formação académica: Licenciatura em Biotecnologia pela Universidade de Évora, Mestrados em Ciências Biomédicas pelo IHMT, Universidade Nova de Lisboa.

Subscreva a nossa revista, receba artigos exclusivos e mantenha-se permanentemente atualizado.