Floresta Governamental

Compromisso floresta 2030

Numa iniciativa inédita, estiveram reunidos em Coimbra no dia 4 de maio de 2022, os 25 subscritores do Compromisso FLORESTA2030 para apresentar em conjunto as suas preocupações ao Governo e à Sociedade, numa conferência que contou com mais de 120 representantes das diversas entidades, da produção, da indústria, da sociedade civil e da administração central e regional.

〈  09 / 05 / 2022  〉

Após a publicação em março de 2022 do Compromisso FLORESTA2030, as 25 entidades subscritoras mantiveram os trabalhos para identificação dos pontos de sinergia, porque acreditam que é preciso e possível unir esforços para nos próximos 10 anos construir uma Floresta mais bem gerida, diversa e capaz de resistir às adversidades climáticas. A Floresta nacional é um ativo reconhecido do ponto de vista económico, social e ambiental e Portugal possui fileiras florestais únicas no panorama mundial e potencialidade para contribuir proactivamente em estratégias internacionais de combate às alterações climáticas. A Floresta será um dos setores cuja atividade mais pode promover os três grandes desígnios da sustentabilidade.

Apesar dos meios alocados à Floresta Portuguesa desde os incêndios de 2017, verifica-se que existem problemas estruturais que se mantêm sem resolução e que têm impedido o progresso da fileira.

Os subscritores do Compromisso FLORESTA2030, estão disponíveis para, em colaboração com o Governo, trabalhar na construção das soluções necessárias para o Futuro da Floresta e do Território, e para as concretizar no espaço de uma década.

Foram identificados 10 objetivos transversais ao setor florestal, dos quais se destacam:

  • Reconhecimento dos diferentes contextos regionais, edafoclimáticos e socioeconómicos, da necessidade de adaptação das soluções territoriais e dos instrumentos de política, criando condições para o seu funcionamento, e da importância da mobilização dos proprietários florestais em modelos agrupados e participativos que confiram dimensão à gestão.
  • Aposta na qualificação e na certificação da gestão e dos operadores florestais, reforçando a promoção da oferta formativa ao nível do ensino secundário profissional e universitário.
  • Criação de um programa robusto de apoio ao investimento florestal, adequado às características do setor em termos de diversidade regional e de retorno financeiro, apostando na gestão ativa, na conservação do solo e dos valores naturais, pautado por uma simplificação e modernização de procedimentos e menor rigidez normativa.
  • Promoção progressiva de mecanismos de remuneração de serviços de ecossistema, de incentivo e compensação de bens públicos ambientais, que permita a expansão da atividade florestal a mercados como o de carbono e bancos de habitats.
  • Campanha de comunicação e imagem sobre o papel da Floresta e dos produtos florestais, do seu contributo para a economia, a sociedade e o ambiente, e em termos de ação climática.

Este é o compromisso para construir uma Floresta bem gerida, rentável, diversa, inclusiva, resiliente, valorizada ambientalmente e socialmente agregadora. Uma Floresta que seja fator de segurança contra as alterações climáticas, elemento-chave de uma bioeconomia inovadora e que recupere o seu lugar na confiança da sociedade e no reconhecimento político dos portugueses.

Subscreva a nossa revista mensal e mantenha-se atualizado: