Floresta Formação

Politécnico de Coimbra cria Escola da Floresta na Lousã

A Escola da Floresta do Politécnico de Coimbra (IPC), no dia 13 de maio de 2022, deu um passo decisivo com a assinatura do protocolo de colaboração com a Câmara Municipal da Lousã, que teve lugar numa cerimónia pública neste Município.

〈  publicado em 13 / 05 / 2022  〉

A Escola da Floresta é o novo polo de ensino superior do Politécnico de Coimbra na Lousã. Tendo em conta o objetivo de descentralização da formação do IPC para um maior número de municípios da região, a marca Escola da Floresta cumprirá essa missão na Lousã. No seu seio nascerão cursos cuja responsabilidade científica e execução será do IPC, em parceria com vários organismos e empresas e cuja matriz será a de formar “à medida” profissionais de elevada competência e desempenho nas áreas que vierem a ser determinadas.

Assinatura protocolo Escola da Floresta

Na sua intervenção, o presidente do IPC, Jorge Conde, recordou o processo de quatro anos e meio que decorreu desde o desafio inicial do presidente da Câmara da Lousã em novembro de 2017, logo após os terríveis incêndios que assolaram a região nesse ano, aos inúmeros contactos com responsáveis políticos e económicos para concretização desta ideia, “mas apesar das muitas vontades e algumas sinergias, o tempo da pandemia justificou outras prioridades e direções”. “Ironia das ironias, acaba por ser a pandemia, através do PRR, a proporcionar meios para o arranque desta ideia”, referiu. O responsável espera que em setembro deste ano o projeto dê “os primeiros passos na formação de pessoas e no aumento de competência que o país precisa”. “No Politécnico de Coimbra gostamos de fazer, gostamos de ser a instituição do território e gostamos de trabalhar fora de portas. Esta é um dos projetos que, estou certo, garantirá essa nossa matriz e que será um sucesso, com o trabalho e empenho de todos”, garantiu.

O presidente da Câmara Municipal da Lousã, Luís Antunes, considerou as áreas da floresta e do fogo como “determinantes e identitárias” da Lousã e realçou a importância da criação de um centro de conhecimento no Município – reforçando a oferta formativa no concelho, complementando a já existente – numa perspetiva de trabalho em proximidade e em relação com os agentes no território. O autarca salientou que com a Escola da Floresta se dava “expressão a um objetivo âncora da estratégia de desenvolvimento integrado, a valorização do Capital Humano”. Luís Antunes referiu ainda o contributo significativo para o reforço da dinâmica social e económica do concelho, bem como para potenciar a atratividade e notoriedade do mesmo. O autarca finalizou a sua intervenção referindo que “por tudo o que já foi dito, este momento marca, também, a afirmação de um concelho com Ecos da Serra e Caminhos de Futuro”.

O vice-presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, Luís Paulo Costa, considerou a criação da Escola da Floresta um facto que atesta “a importância para a região e para o Município da proteção de um dos nossos bens mais valiosos, a preservação da floresta”, apontando a Lousã como um local ideal para a criação de “um hub para a floresta”. Referindo tratar-se de um bom exemplo de ciência aplicada e da aproximação da academia ao território, o responsável espera que esta venha aumentar a resistência do território aos incêndios rurais.

CURSOS INICIAM EM SETEMBRO

O polo do IPC vai iniciar atividade em setembro deste ano, arrancando com cursos nos domínios da floresta e do fogo, envolvendo a ESAC e o ISEC, nomeadamente, um Curso Técnico de Ensino Superior (CTeSP) em Operações Florestais (duração de dois anos), uma Pós-graduação em Análise de Incêndios (PNGIFR) (duração de um ano), uma Pós- graduação em Inovação em Gestão das Operações Florestais (duração de um semestre) e 12 cursos de Microcredenciações em Formação Autónoma em Análise de Incêndios.

Os cursos propostos na área dos incêndios rurais, e previstos no âmbito do Plano Nacional de Qualificação do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, serão dinamizados no âmbito dos Programas Impulso, coordenados pelo IPC, e contarão com a participação de várias instituições de ensino superior, nomeadamente, a UTAD, a UL-ISA, o IPCB, a UA e outras entidades como a Escola Nacional de Bombeiros, o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, a AGIF – Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais, a Polícia Judiciária e o ForestWise – Laboratório Colaborativo para Gestão Integrada da Floresta e do Fogo, entre outros.

Os cursos na área das operações florestais têm o envolvimento de duas unidades orgânicas de ensino do IPC, a ESAC e o ISEC, contam com o apoio do ICNF (COTF) e com o envolvimento das empresas NAVIGATOR, ALTRI, SONAE-ARAUCO, CENTRO PINUS, REN, e-REDES, ANEFA e os seus associados.

Numa segunda fase, está previsto o envolvimento da ESEC nas vertentes do turismo de natureza e de montanha e será avaliada a participação de outras escolas e matérias.

Esta é a primeira ação do Politécnico de Coimbra no âmbito do Programa Impulsos, concebido com inúmeros agentes do território, nomeadamente câmaras municipais, empresas e instituições do setor social. O programa vai entrar na fase de execução e terá a coordenação do IPC, da CIM Região de Coimbra e do CEC – Câmara de Comércio e Indústria do Centro.

Subscreva a nossa revista mensal e mantenha-se atualizado: