A CONFAGRI considera que existem obstáculos impeditivos nas candidaturas aos ecoregimes e teme que, com todas as dificuldades verificadas no processo de receção de candidaturas, os agricultores desistam de submeter a sua candidatura a este domínio e, consequentemente, aumentem a perda de rendimento.

O processo de recolha de candidaturas é demasiado burocrático e complexo, com um sistema informático que não só não está a dar uma resposta célere, como não permite atualmente um funcionamento minimamente adequado às exigências requeridas, conduzindo técnicos e agricultores por todo o país ao desespero.

O risco de não se conseguirem realizar todas as candidaturas em tempo útil para que os pagamentos cheguem aos agricultores começa, preocupantemente, a ser demasiado evidente.

A CONFAGRI exige que sejam desencadeados todos os esforços para uma implementação destes apoios do PEPAC, para todos os agricultores, com o mínimo de constrangimentos e sem implicações nas datas habituais de pagamentos.

Conforme afirmado por Idalino Leão, Presidente da CONFAGRI, – “Os agricultores não têm a culpa do novelo burocrático criado pela tutela e que está a dificultar a normal recolha de candidaturas. Esperemos que estes obstáculos não condicionem, de forma alguma, os pagamentos devidos em outubro e que permitam que todos se candidatem.”

“A aposta na Agricultura como desígnio nacional passa por tornar o setor atrativo e não numa amálgama de obstáculos como tem sido a aplicação deste PEPAC.” adianta.

 
Recebe em sua casa ou via digital, assine já a Revista Voz do Campo (11 edições/ano)→ SUBSCREVA AQUI ←