Entrevista a Rui Droga, Presidente da Direção da CORYLUS – Associação Nacional de Promoção da Aveleira

A Corylus – Associação Nacional de Promoção da Aveleira é uma jovem entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por objeto promover e desenvolver a fileira da aveleira, constituída durante o passado ano de 2023. Em entrevista, o presidente da Direção da Corylus-ANPA, Rui Droga, revela que a cultura da avelã depois dos anos 80 em que teve uma dinâmica muito grande em Portugal, foi perdendo o protagonismo devido aos problemas associados às fracas produções e aos preços relativamente baixos. Atualmente, com os novos pomares instalados, estamos a presenciar a uma evolução positiva e daí a importância da Corylus-ANPA, para tornar mais resiliente a fileira emergente da aveleira. Conhecida pelas ótimas características organoléticas, a avelã é um fruto muito importante para a saúde e nutrição, assim torna-se indispensável a necessidade de promover, também, o seu consumo.

Fale-nos um pouco sobre a necessidade de criação da Corylus-ANPA e como é que se caracteriza?

Como trabalho na fileira dos frutos de casca rija há mais de dezoito anos, num trabalho de aconselhamento agrícola houve necessidade de juntar produtores, a academia e os serviços agrícolas na sua extensão rural. Das conversas, não só sobre a cultura da aveleira, mas também sobre toda a fileira, vem ao de cima a necessidade de saber que áreas de produção existiam em Portugal e quantos produtores. Assim os cinco amigos, Dr.ª Ana Raquel, Professora Paula Correia, Eng.ª Arminda Lopes; Dr. Nuno Bento e eu, pusemos em hipótese vir a constituir uma associação com o foco na cultura da aveleira, e no consumo da avelã nacional.

Estávamos em abril, de seguida organizámos um Open Day, o primeiro, na Estação Agrária de Viseu da atual, CCDRCentro em 14 de julho de 2023. Nesse evento apresentamos os estatutos, em novembro fizemos a escritura de constituição da Associação, e em janeiro deste ano as eleições e a tomada de posse dos atuais órgãos sociais.

A Corylus – Associação Nacional de Promoção da Aveleira é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por objeto promover e desenvolver a Fileira da Aveleira. A Associação visa especialmente a defesa dos interesses socioprofissionais e económicos dos diferentes agentes intervenientes na Fileira da Aveleira e sua representação ao nível Nacional e Internacional.

Sendo uma Associação que está a dar os primeiros passos, qual é o seu plano de atividades e missão?

A Corylus-ANPA ainda é muito recente e o plano de atividades ainda tem de ser muito cauteloso e ponderado. Temos que fazer com que o tema aveleira e avelã apareça mais vezes nas pesquisas. A cultura de avelã depois dos anos 80 em que teve uma dinâmica muito grande foi perdendo o protagonismo devido aos problemas associados às fracas produções e preços relativamente baixos. Agora há necessidade de rever tudo o que correu mal e voltar a trazer a avelã para um patamar melhor. A avelã tem ótimas características organoléticas e é um fruto muito importante para a saúde e nutrição. Assim é necessário promover o seu consumo. Por outro lado, temos que todos os intervenientes na fileira, desde a produção até aos chefes de cozinha, e o consumidor final sem esquecer obviamente a transformação que mais do que nunca tem um papel importante, debater todos os aspetos bons e maus para juntos fortalecer a fileira. Temos de juntar massa crítica para em conjunto conseguirmos vencer os desafios da produção global.

Quem são os associados da Corylus-ANPA e qual o seu perfil?

Os associados podem ser todos os que têm interesse na cultura ou no fruto avelã. Queremos que todos os que têm interesse na cultura se associem à Corylus, não podemos definir um perfil específico, temos que ter na Corylus vários pontos de vista, é certo que os produtores, os transformadores e os que comercializam são a estrutura importante, mas precisamos de académicos, técnicos, bem como associados do marketing, comunicação. Os associados ligados aos produtos fitofarmacêuticos e fertilizantes, bem como os centros de investigação. No fundo todos são bem-vindos. Além dos associados, a Corylus-ANPA procura estabelecer parcerias com várias entidades, nomeadamente a Confagri, e o Centro Nacional de Competências de Frutos Secos.

Que papel desempenhará a Associação junto destes associados?

A Corylus-ANPA procura ir ao encontro das necessidades dos associados, nomeadamente procurar levar a formação Aprender Fazendo, a todos.

Começamos por fazer uma formação na exploração da Quinta PUB Vale e Lages, sobre poda de formação, em que trocamos conhecimento entre a academia, serviços, técnicos e produtores com pomares já a produzir, alguns com as plantações a decorrer bem como produtores no segundo ano de instalação do pomar de aveleiras. Queremos ao longo do ano ter mais iniciativas destas com temas variados, desde a poda, fertilização, pragas e doenças, transformação e comercialização, etc. Também queremos que num futuro próximo os associados vejam na Corylus-ANPA, uma entidade com que podem contar para os ajudar nas suas dificuldades, pois podem fazer a ponte entre todos os players, e colocá-los a falar em rede. Iremos ajudar os produtores a candidatarem-se aos apoios e aos investimentos. Iremos procurar soluções para o tratamento às pragas e doenças.

Sendo a aveleira uma cultura relativamente tradicional em Portugal, qual é o seu estado atualmente? A que volume de produção estamos a referir-nos?

Nos anos de 2011 a 2013 a área de produção (segundo fonte do IFAP no Pedido Único) é de 212ha, 230ha; e 226ha respetivamente. Em 2015 a área candidata no pedido Único é 240.58ha e curiosamente dividido por 403 candidaturas.

2016 PU – Candidaturas 426 Área de aveleira 246.30ha

2017 PU – Candidaturas 446 Área de aveleira 243,62ha

2018 PU – Candidatura 484 Área de aveleira 272,05ha

2019 PU – Candidatura 543 Área de aveleira 293,67ha

2020 PU – Candidatura 593 Área de aveleira 329,96ha

2021 PU – Candidatura 711 Área de aveleira 406,24ha

2022 PU – Candidatura 813 Área de aveleira 518,27ha

2023 PU – Candidatura 1020 Área de aveleiras 685,00ha

Segundo o Instituto Nacional de Estatística em 2020 produziram-se 213 Ton de avelã, tendo em conta a área referida nesse ano a produção por hectare é ainda muito baixa. Em 2021 a produção foi de 240 Ton, e em 2022 baixou para 232ton. Também temos de ter em conta que a área está a aumentar de ano para ano e com o fecho dos projetos do PDR2020 facilmente chegaremos aos mil hectares. Mas estes novos pomares ainda não se encontram a produzir e ainda estão longe do ano cruzeiro. Estamos a presenciar a uma evolução positiva e daí a importância da Corylus-ANPA, para tornar mais resiliente a fileira emergente da Aveleira (…).

→ Leia a entrevista completa na Revista Voz do Campo: edição de maio 2024

One thought on “Corylus-ANPA quer tornar mais resiliente a fileira emergente da aveleira

Comments are closed.