Se inicialmente a resina era obtida através da queima de madeira, atualmente é recolhida de árvores vivas, por métodos pouco invasivos, que asseguram vitalidade da árvore. São bem presentes as memórias de pinhais resinados com o tradicional púcaro de barro ou, mais recentemente, com púcaros de plástico ou sacos de plástico. A Resina Natural e a resinagem fazem parte da memória coletiva do povo português.

A resina é um produto natural, produzido pelas coníferas como substância de defesa e proteção contra infeções. É um líquido viscoso, transparente, com forte odor a pinho e forte carácter adesivo. O seu uso pelo homem remonta à Antiguidade, havendo vestígios da sua utilização no processo de mumificação no Antigo Egito. Em Portugal, o registo do uso de resina natural remonta ao séc. XV, tendo sido utilizada na calafetação das naus utilizadas na exploração marítima portuguesa. A utilização de Resina Natural e dos seus derivados sofreu alterações profundas ao longo do tempo, que refletem as melhorias associadas ao processo de extração e ao desenvolvimento tecnológico e industrial.

A modernização do processo de colheita da resina, aliado à vasta floresta de pinho e ao incentivo à resinagem, levaram, em meados do século passado, ao aumento exponencial da extração de Resina Natural em Portugal. Na campanha de 1974/75, Portugal foi o segundo produtor mundial de resina, atingindo o máximo histórico de 140.000 Ton/ano. Contudo, a entrada no mercado de novos países produtores de resina a praticar preços mais competitivos, levou à descida de preço desta matéria-prima. A diminuição de preço, associada aos incêndios florestais e à consequente diminuição da floresta de pinho, levou ao abandono progressivo desta atividade. Atualmente, Portugal produz cerca de 5000 toneladas de Resina Natural por ano.

O aumento da produção de Resina Natural nos anos 70 e 80 motivou a indústria portuguesa a valorizar esta matéria-prima, tendo surgido, por essa altura, as primeiras indústrias de segunda transformação. Apesar da diminuição de produção, a indústria de segunda transformação da resina natural portuguesa permaneceu competitiva, destacando-se a nível mundial.

A tradição associada a esta atividade florestal, assim como, a inovação da indústria de transformação da Resina Natural e o potencial desta matéria-prima natural e sustentável, contribuíram para que a fileira da Resina Natural fosse identificada na Componente 12 – Bioeconomia Sustentável, do Plano de Recuperação e Resiliência, juntamente com a Indústria do Têxtil e do Vestuário e a Indústria do Calçado, como um setor chave para a promoção da transição climática (…).

→ Leia o artigo completo na Revista Voz do Campo: edição de janeiro 2024

Autores: Joana Vieira, Marta Martins, Jani Pires, Juliana Salvação, Joana Rodrigues,
Alexandra Marques, Carlos Fonseca e Rogério Rodrigues
CoLAB ForestWISE